Trilheiros de Pirassununga - Minhoca Atolada**** Tropa do Brejo****Barro no Zóio***

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

Resumo trilha terça de carnaval

Saudações crianças.

Em ritmo de carnaval "batucamos" os aceleradores das magrelas nessa terça de carnaval.

Em virtude da chuva na noite anterior, decidimos ir para Santa Cruz no circuito do RANCHINHO, mas antes passando por Analandia.

Presentes: Cersão, Fefo, Ramon, Passoca, Jé, Joaninha e Zeromeia. O Placenta ligou avisando que iria trocar o pneu da magrela em Leme, depois nos encontraria em Analandia.

Saimos então, mas fizemos um esquenta no Morro ISKIZITO, depois subimos o JEEP que estava bastante liso, porém o estradão estava seco. Chegando no piscinão de Analandia subimos o morrinho do Joaninha e depois tomamos umas tupevas no piscinão. Foi quando o placenta chegou.

Já estavamos com fome, então partimos para o São Francisco para pegar um "gurdorame". O Joaninha que se encarregou dos pedidos, que não foram poucos. O Ramon nem falava, só queria comer. O Passoca ficou na capiiirinha com mel, e o Fefo ainda estava azedo do dia anterior estava na coquinha gelada, e eu o Zeromeia e o Cersão na tupeva.

Todos de pança cheia, saimos para Santa Cruz onde queriamos fazer o circuito do RANCHINHO. Devido as chuvas tinha varios lugares com regueira, mas isso não nos impediu de dar uma voltinha acelerando um pouquinho. Fomos e voltamos pelo circuito.

Ja estava tarde, então resolvemos voltar.

Teríamos chegado antes da chuva, porém deu "indisposição intestinal" kkkk no placenta, que não quis nem saber, parou no meio do mato e ficou um tempão lá kkkkkk. (pra andar de moto é um gatinho, mas pra cag .... é um leão) kkkkkkkkk.

Chegamos em Pirassununga debaixo de uma chuva torrencial, porém de "alma" e motos lavadas.

Ah, na chegada o Fefão "beijou" o chão, de tão liso que estava o chão.

Foi muiiito bom o rolê pessoal. Semana que vem tem mais.

Abraço a todos, e uma otima semana.

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

Resumo trilha sabadão

Saudações galera.
Antes do resumo queria deixar um abraço para nosso colega trilheiro Eduardo da tribos e trilhas, que nos ligou convidando para uma trilha em plena terça de carnaval. Como alguns foram viajar fica para a proxima oportunidade que temos certeza de que não irá faltar.
Bom, depois de váááários sabados chuvosos, este ultimo estava ensolarado, e muito calor, porém não desanimamos com o sol não, e nos juntamos : Jé, Joaninha, Engoelar, Zeromeia, Fefo, Ramon, Cersão e o estreante Pipinu. Também apareceram Thor, Miruka, e Francesquini que acabaram rumando para outro canto.
Partimos para o morro ISKIZITO, onde subimos várias vezes. Depois pegamos o circuitinho do Belo e RUMO AO CÉU. Só o Jé subiu até o final. Zeromeia, Ramon e Engolear ficaram pelo caminho. Os demais nem tentaram.
Pegamos sentido trilha do JEEP, e na curva de entrada da trilha o Joaninha "lambeu" o chão kkk, apenas tombou né Joaninha ?? kkk com moto e tudo. Sacudiu a poeira e subimos então o JEEP.
Rumamos para o Magazine, descemos e subimos varias vezes, SUSPENSÃO É TUDO, LIMAOZINHO.
Passamos pelo RASGA TANQUE, mas ninguem se aventurou.
Atravessamos o riozinho da GIROLANDA, onde o debutante Pipinu passou de boa para suspresa de todos.
Então fomos para o BREJIM que estava uma avenida. Primeiro foi o Engolear, Jé, Cersão, Ramon, Fefo e o Joaninha .... esse ultimo aiai .... virou a magrela pra baixo e saiu "pegando" grama pela raíz. Mas nada sério, machucando apenas o orgulho.
Passamos pela CERQUINHA e saimos sentido circuitinho do ESPANHOL, onde demos uma voltinha básica sem maiores emoções devido as "regueiras".
Por causa do calor excessivo, decidimos voltar, mas antes mais uma vez no morro ISKIZITO.
Estava todo mundo empolgado, o Dú saltando cada vez mais alto. O Ramon também. E foi em uma dessa empolgação que o Dú encheu o ... de terra. A magrela saiu da rampa com a frente muito alta e ao aterrisar caiu empinado e chão. Levantou e foi denovo, dessa vez de boa. A essas altura o Pipinu também estava empolgado, quando tentou subir um lugar mais alto, e ... chão.
Saiu rolando ele e moto pra baixo kkkk. Levantou também e subiu mais uma vez o lado mais baixo.
Fiu muito bom sabadão. Terça feira de carnaval tem mais.
Abraço a todos.

terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

sábado, 14 de fevereiro de 2009

Gírias do meio Endurista - Off road

Fazer uma Trilhinha: Sair com amigos no sábado a tarde e depois tomar umas geladas.

Trilha: É o caminho em pastos e serras, utilizado por nativos e animais.

Estradão: Devida à facilidade de andar em caminhos estreitos, o estradão passa a ser qualquer estrada onde passam dois carros.

Trial: Esporte praticado com motocicletas especializadas, onde o piloto no enduro ou na trilha, tem que transpor obstáculos sem colocar os pés no chão.

Trilha travada: Trilha muito difícil.

Bosteiro: Local onde devida à permanência de muitas vacas, e em época de chuva, fica intransponível.

Curvão: curva de alta que se faz com a mão no fundo.

Mão no Fundo: Acelerador no limite.

Levantar: Descobrir trilhas novas e/ou organizar um Enduro.

Descidão: Descida muito ingreme.

Subidão: Subida muito ingrime.

Péba: Piloto pouco experiente que fica preso em qualquer dificuldade encontrada sua frente.

Engalhar: Ato de ficar preso em local difícil.

Muchila: Piloto que não se inscreve no Enduro, mas acompanha percurso da prova, atrapalhando os pilotos que estão inscritos (ficam pertubando e as vezes ganham a prova do piloto que ele acompanha).

Sirí: Piloto que em situação de muita lama ou em erosões usa os pés para apoiar a motocicleta.

Comprar Terreno: Cair ou deixar a moto cair.

Vaca: Tombo violento, também chamado de capote.

Enrolar o Cabo: Acelerar, andar rápido.

Péga: Duelo de velô entre amigos.

Escapada: Escorregada das rodas da motocicleta, provocando uma derrapagem controlada ou completamente descontrolada.

Onça: Moto antiga ou muito mal cuidada (lixo).

Empurrar: Fazer com que o piloto à sua frente ande mais rápido ou no mesmo que o seu.

Travada: Freada com muita violência.

Dar Corda: Acionar o pedal de partida diversas vezes sem que a motocicleta funcione.

Enceradeira: Motocicleta fraca ou de pouca potência.

Neutro: Durante um Enduro é o tempo de abastecimento e lanche.

Planilha: Livro de bordo onde constam as médias e o roteiro.

Odômetro Parcial: Instrumento de medição de distância.

Balão: Trecho que dá uma volta e retorna ao mesmo local, usado para dificultar o roteiro(pega bobo).

Navegação: Calcular as médias durante um Enduro.

Roteirar: Ato de ler o roteiro na planilha.

Fonte: Turma do Mau On Off Road Team

Brasileiros iniciam enduro pensando em título

O Enduro do Corisco abrirá o brasileiro de enduro de regularidade, e será válido pelas 1ª e 2ª etapas, assim como todo o campeonato (etapas duplas). A prova está marcada para o próximo sábado (14), com continuação no domingo.

Dário Júlio conquistou no ano passado o bicampeonato e Sandro Hoffmann faturou o vice. Os dois disputarão a categoria Máster ao lado de outros grandes nomes da modalidade e usarão toda sua experiência em busca de mais uma vitória.

O percurso segue de Teresina até a cidade de Altos e contará com 140 quilômetros de trilhas no primeiro dia e 180 quilômetros no segundo.

“É fundamental não errar. O Corisco costuma ser uma etapa cheia de pegadinhas. Além disso, exige muito preparo físico por conta do calor”, justificou Dário Júlio, que irá utilizar uma motocicleta Honda CRF 230F. “Prefiro provas bem técnicas. Como minha moto é mais leve sempre consigo me sobressair em etapas como esta”.

O pentacampeão brasileiro Sandro Hoffmann aproveitou o intervalo entre o Piocerá e o Enduro do Corisco para fazer os treinamentos na região e se acostumar com o forte calor. “Se existe um lugar mais quente que esse eu não conheço”, brincou o capixaba. Sandro entrará nas trilhas do Piauí com a motocicleta Honda CRF 250X.

Até o final do Brasileiro, os competidores disputarão 20 etapas divididas em dez provas.

Calendário:

14/02: Enduro do Corisco (PI)
13/03: Enduro de Taquara (RS)
11/04: Bahia
02/05: Enduro dos Guimarães (MT)
23/05: Enduro da Polenta (ES)
20/06: Enduro de Guarapuava (PR)
18/07: Brasília (DF)
15/08: Rio de Janeiro
19/09: São Paulo
10/10: Alagoas

Fonte:Equipe MOTO.com.br

moto e pipoca

Falar em sexta-feira 13 não nos remete apenas a uma série de superstições. A data de hoje também é instantaneamente associada à longa série de filmes de terror estrelada pelo “imortal” Jason Vorhees, que aliás estreia em mais uma película neste dia devidamente apropriado.

Mas como nosso assunto aqui é motociclismo, resolvemos aproveitar o tema de cinema para listar alguns clássicos que tenham os veículos de duas rodas como ilustres protagonistas.

Confira então as opções, com sinopses, de bons vídeos para curtir nesta sexta-feira ou no fim de semana, acompanhado de uma boa pipoca! Quem tiver outras sugestões, divida-as com os demais motonautas no espaço de comentários.

Diários de Motocicleta (The Motorcycle Diaries)
Em 1952, o futuro líder da Revolução Cubana Che Guevara (Gael García Bernal) era um jovem estudante de medicina. Ele e seu amigo Alberto Granado (Rodrigo De La Serna) viajam pela América do Sul em uma velha moto, arranjando caronas e fazendo longas caminhadas. Depois de passar por Machu Pichu, chegam a uma colônia de leprosos na Amazônia Peruana, onde começam a questionar o valor do progresso econômico.
Gênero: Drama
Duração: 130 minutos
Ano de Lançamento: 2004

Motoqueiro Fantasma (Ghost Rider)
Johnny Blaze (Nicolas Cage) era apenas um motociclista dublê adolescente quando vendeu sua alma para o diabo (Peter Fonda). Anos depois, Johnny é um famoso motoqueiro radical durante o dia, mas à noite, se transforma no Motoqueiro Fantasma, o lendário personagem da Marvel Comics. Como justiceiro do diabo, ele é encarregado de caçar almas maldosas na Terra e levá-las ao inferno. Mas quando o destino resolve lhe pregar uma peça trazendo o seu grande amor (Eva Mendes) de volta à sua vida, Johnny percebe que pode ter uma segunda chance de ser feliz - se vencer o diabo e ganhar sua alma de volta. Para conseguir o que deseja, ele terá que derrotar Coração Negro (Wes Bentley), o rebelde e perverso filho do demônio, cujo plano de assumir o reinado de seu pai trará o inferno à Terra — a não ser que o Motoqueiro Fantasma possa impedi-lo.
Gênero: Ação
Duração: 110 minutos
Ano de Lançamento: 2007

Motoqueiros Selvagens (Wild Hogs)
Bobby (Martin Lawrence), Doug (Tim Allen), Dudley (William H. Macy) e Woody (John Travolta) são amigos veteranos que se vestem como motociclistas radicais, mas estão um pouco longe disso. No entanto, em busca de aventura, eles resolvem pegar a auto-estrada, mas se metem em encrencas quando encontram uma violenta gangue de motoqueiros do México conhecida como Del Fuegos.
Gênero: Aventura
Duração: 100 minutos
Ano de Lançamento: 2007

Desafiando os Limites (The World Fastest Indian)
Filme que conta a história real de um homem neozelandês que com coragem e dedicação realizou seu grande sonho ao participar de uma competição disputada de motociclistas em Salt Lake, Utah, nos Estados Unidos, conhecida como Speed Week, nos anos 60. Ele é Burt Munro, em interpretação elogiada de Anthony Hopkins, um homem que pega uma motocicleta Indian 1920 e monta toda ela com seus próprios recursos para deixá-la pronta para a competição. Contra todas as expectativas e prognósticos, ele consegue deixar sua moto em ponto de bala e participa da competição, não somente vencendo, mas também quebrando o recorde do desafio. Durante as filmagens, o filho do competidor visitou o set e chegou a chorar quando viu Anthony representando seu pai, tamanha a fidelidade de sua interpretação.
Gênero: Aventura
Duração: 127 minutos
Ano de Lançamento: 2005

Hot Rod: Loucos Sobre Rodas Fúria em duas rodas
Rod é um dublê com um falso bigode que nunca deu um salto sem quebrar a cara. Sua família e seus amigos pensam que ele é uma piada. E ainda por cima seu padrasto Frank o usa como seu saco de pancadas pessoal. Mas Andy não vai deixar que alguns “probleminhas” de nada o impeçam de realizar a maior façanha de sua vida!
Gênero: Ação
Duração: 88 minutos
Ano de Lançamento: 2007

Fúria em duas rodas (Torque)
Cary Ford (Martin Henderson) é um motociclista que tem recebido constantes ameaças de um velho rival, por causa do assassinato de um integrante de outro grupo de motoqueiros. Temendo ser assassinado por Trey (Ice Cube), irmão do motoqueiro morto, Cary decide fugir. Porém, Trey e várias gangues partem em seu encalço.
Gênero: Aventura
Duração: 94 minutos
Ano de Lançamento: 2004

Motoboys: Vida Loca
Existe um grupo vital para a sociedade moderna, fiel entre si, independente, rebelde e com sua própria ética e moral. Dono de um comportamento suspeito e pro vezes ilegal, esse proletariado urbano surgiu sem qualquer planejamento, como uma geração espontânea underground, para se transformar no fenômeno paulistano mais polêmico da atualidade. Um grupo que cresce mês a mês (em números assustadores), e com o poder de imobilizar toda a economia de uma metrópole do porte de São Paulo com uma simples greve. Motoboys, muito prazer.
Gênero: Documentário
Duração: 52 minutos
Ano de Lançamento: 2003

Corridas Clandestinas (Biker Boyz)
Manuel Galloway (Laurence Fishburne) é o líder de uma trupe de motoqueiros que reúne, principalmente, homens de negócio negros que, sempre que possível, deixam o trabalho para pilotar suas próprias motos. Galloway tem como principal meta manter com sua trupe o título de um campeonato realizado em Fresno, assim como ensinar a seu filho a arte de pilotar uma moto.
Gênero: Aventura
Duração: 90 minutos
Ano de Lançamento: 2003

Os 12 Trabalhos
Recém-saído da Febem, Heracles (Sidney Santiago) tenta superar seu passado em busca de um serviço honesto como motoboy. Para conseguir o emprego, o adolescente tem de realizar doze tarefas cruzando todos os bairros paulistas e suas armadilhas. Uma leitura contemporânea do mito de Hércules no caos urbano de São Paulo.
Gênero: Drama
Duração: 90 minutos
Ano de Lançamento: 2007

Fonte das sinopses: Interfilmes.com

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

Resumo trilha sabadão 07/02

Saudações amigos

Sabadão com uma trégua da chuva e com um sol de queimar mamona na sombra, saimos as 14:30 do buteko do Zeromeia : Jé, Placenta, Engolear, Cuié, Cersão, Kallel, Fefão, Zeromeia, Ralfe e Passoca.

Ficamos aquecendo motor no morro ISKIZITO, nessa nosso amigão Kallel nos deixou por motivo de corrente.

Seguimos para o RUMO AO CÉU. Jé, Passoca e MAuricio subiram na boa. Ralfe tentou e os demais não arriscaram, inclusive o Cuié que estava de "cenoura". Foi quando chegou o Marcelo e o Mongo.

Então partimos para a trilha da TUPEVA, quando Marcelo nos deixou por problemas no pedal de câmbio. Logo na subida do paredão, alguns tiveram dificuldades para subir, Cersão, Ralfe, Dú e Passoca. Descemos até a SURUCUCU, subimos a 51 e descemos o SACOENSOPADO, onde o Mongo teve que descer a moto do Dú que não estava passando muito bem por causa do calor, e ao descer, o Mongo "tombou" a "verejera" kkkkk. Depois mais nehum teve problemas.

Partimos então para o BONCUSESSO pelos circuitinhos, onde subimos. Devido ao calor alguns voltaram p/ casa: Cuié, Zeromeia, Dú, Mongo e Fefo, os demais continuaram sentido circuito do ESPANHOL.

Demos uma volta no ESPANHOL, quando chegaram : Miruka, Lê (sumido), Luizão e Thor. Conversamos um pouco quando resolvemos dar mais uma volta no ESPANHOL. Foi quando Jé e Placenta estava na frente e ao "saltar" uma rampinha fomos contemplados com uma figura inusitada, uma onça parda bem no meio do circuitinho. Isso mesmo, levamos um baita susto. Ainda bem que a bixona (não o Mauricio, a onça kkk) assustou mais que a gente e saiu correndo na nossa frente por uns instantes, depois tomou sentido o matagal, sumindo de nossas vistas. Mais que fiu um susto e tanto foi. Imagina trombar com aquela bicho quando estamos abrindo trilha ???? eu heim kkkkkk.

Depois o pessoal, Miruka, Lê, Luizão, Thor e Passoca resolveram tomar outro sentido diferente do nosso.

Nós partimos para a CERQUINHA, e foi em umas dessas curvas que o Ralfe se espatifou no chão. Eu como sempre para trás, ajudei a levantar o meninão que sacudiu a poeira e voltou pra cima da magrela.

Subimos o BREJIM sem maiores problemas, atraverssamos o riozim da GIROLANDA e fomos para o MAGAZINE onde subimos e partimos embora.

Logo em seguida São PEdro despejou agua.

Por hoje é só pessoal.

Sabadão tem mais.

Falando em sabadão, sabadão que vem está previsto uma volta até Ouro Fino. QUam estiver afim entrar em contato para maiores informações.

Abraço a todos e uma ótima semana.

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

Pra que carretinha

O Placenta acabou de derrubar a moto.

Deêm uma olhada no vídeo

video

Resumo da trilha lisa

Saudações amigos.

Ontem, quarta feira, rolou uma trilha noturna, não tão noturna, porém lisa. Parecia que tinham passado graxa na terra de tão lisa que tava.

Bom saimos então eu, Engolear, Placenta e Kallel.

Claro que partimos direto para o morro ISKIZITO, e ontem estava muuuito iskizito, mas emsmo assim demos uns pulos nele, e foi em um desses pulos que eu acabei derrubando o farcão na piçarra liiiiiiiiisa. Explico : como falei estava liso demais e ao sair da rampa acabou saindo meio que de lado e ao aterrisar a magrela rapou, daí já era, chão.

Bom, continuando partimos para o Belo, sentido BONSUCESSO pelos circuitinhos, que por sinal está cheio de "regueiras" causada pelas chuvas torrenciais dos ultimos dias. Tinha reguera que até cabia uma motoca.

No BONSUCESSO que também estava cheio de "manteiga", Eu e Placenta subimos. Dú e Kallel ficaram na raíz.

Fomos para o circuitinho do ESPANHOL, depois pegamos sentido CERQUINHA pelo circuitinho de dentro.

No BREJIM, só o Placenta que subiu, ainda por cima duas vezes. Kallel nem tentou. O Dù tentou uma vez e atolou. Eu tentei umas 4 vezes, porém sem sucesso. Nem pela grama subia de tão escorregadio que estava.

Já estava escurecendo, e nós exaustos. Então partimos para o Buteko do Zeromeia para um churras e algumas TUPEVAS.

Por hoje é só pessoal. Sabadão tem mais.

Abraço a todos.

terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

Mais treino e bom senso aos novatos


Com o objetivo de melhorar a formação dos motociclistas e motoristas e, consequentemente, reduzir os acidentes de trânsito, o Conselho Nacional de Trânsito (Contran) publicou em agosto de 2008 a Resolução 285, que altera as regras dos cursos de formação dos condutores de veículos automotores.

Pelas novas diretrizes, que entraram em vigor a partir de 1° de janeiro de 2009, houve um aumento da carga horária dos cursos teóricos e práticos para a obtenção da Carteira Nacional de Habilitação (CNH).

A parte teórica, por exemplo, passou de 30 para 45 horas aula. Já o curso prático de direção ganhou mais cinco horas aula (no total agora são 20 horas aula). Porém, a grande mudança para os candidatos a motociclista são aulas práticas em vias públicas.

Nesse caso é necessário que a instrução seja feita preliminarmente em circuito fechado até que o candidato tenha pleno domínio da moto e também das regras de trânsito.

Nas aulas práticas de pilotagem em ruas e avenidas é recomendado pelo Contran que o acompanhamento do candidato seja realizado pelo instrutor em outro veículo. A lei ressalta também que todos os candidatos a motociclista deverão realizar aulas práticas de direção mesmo em condições climáticas adversas, como por exemplo, chuva, nevoeiro ou mesmo durante a noite. Ou seja, em condições reais de uso. Neste caso, prudência não faz mal a ninguém.

Para Wilson Yasuda, gerente do Centro Educacional de Trânsito Honda (CETH), que fica em Indaiatuba (SP), tudo que é feito em prol da segurança do motociclista é salutar.

“Mas não podemos esquecer também de requalificar os próprios instrutores das auto e moto escolas. Para transferir conhecimento, os instrutores devem dominar a teoria e a prática. Precisam saber como fazer uma frenagem corretamente, uma curva em baixa velocidade e de como desviar de um buraco”, explica Yasuda, da Honda, dizendo que o CETH também oferece cursos de reciclagem destes profissionais e também para órgãos públicos, como a Polícia Militar de São Paulo.

Segundo a resolução, o curso teórico abordará outros temas como direção de veículos em situação de risco, equipamentos de segurança para o motociclista, pilotagem de motos com passageiro e ou cargas, cuidados com a vítima motociclista e as consequências do consumo de bebida alcoólica e ou substâncias psicoativas.

Bom senso

Devidamente habilitado na categoria “A” em mãos, chega a hora do futuro motociclista comprar uma moto. Então vem a pergunta: qual modelo escolher entre tantas opções? A resposta é simples: uma moto de baixa cilindrada, entre 125cc e 150cc. Até porque o novo motociclista fez 20 horas aula ou mais com este perfil de modelo e já está familiarizado com o comportamento deste tipo de moto.

Aqui é uma questão de bom senso por parte do piloto e não de quanto dinheiro você tem na conta bancária, já que a falta de experiência ao guidão de uma superesportiva, por exemplo, pode levá-lo a um acidente.

“Tudo tem seu tempo. É imprescindível adquirir experiência. Pilotar corretamente em duas rodas requer muito treino. Depois de uma 125/150, o motociclista migra para uma 250cc e assim por diante, até chegar a uma moto de alta cilindrada, potente e com muita tecnologia embarcada”, conta o gerente da Honda.

Geraldo Simões, jornalista, motociclista e instrutor de pilotagem, segue o mesmo raciocínio de Yasuda. “Para os novatos, a melhor e mais sensata dica é escolher uma moto pequena. Já me cansei de socorrer motociclistas de primeira viagem que compraram motos muito grandes, pesadas ou velozes”.

“A motocicleta não poder ser meramente um objeto de status, muito menos um brinquedão. A ‘máquina’ dever ser tratada com muito respeito e utilizada com responsabilidade. Enfim, se tornar instrumento de prazer e satisfação”, conta Ricardo Loureiro dos Santos, consultor comercial e motociclista há cinco anos, que começou pilotando uma Honda XR 200 e recentemente comprou uma Honda Shadow 600 apenas para rodar nos finais de semana.

Para os iniciantes que não gostam muito dos modelos streets, há outras boas opções como, por exemplo, os scooters, as CUBs e as motos de uso misto (on/off-road). Apesar da facilidade de condução — é só ligar e acelerar sem a preocupação com as trocas de marchas —, os scooters são ideais para quem estuda ou trabalha perto de casa. Por outro lado, a rodas pequenas (10 ou 12 polegadas) sofrem mais com os impactos em buracos e valetas e podem transferir instabilidade ao piloto.

Já nas motos de uso misto, o motociclista tem uma melhor postura e posição de pilotagem. A moto é mais alta, conta com suspensões reforçadas e o posicionamento dos espelhos está, na maioria dos casos, acima dos retrovisores dos automóveis.

Compare as resoluções:

Regra antiga (Resolução 168/04)
- Curso Teórico: 30 horas aula
* Legislação de Trânsito - 12 horas aula
* Direção Defensiva - 8 horas aula
* Noções sobre o Funcionamento do Veículo de Duas ou mais Rodas - 2 horas aula
* Noções de Proteção e Respeito ao Meio Ambiente e de Convívio Social no Trânsito - 4 horas aula
* Noções de Primeiros Socorros - 4 horas aula
- Curso de Prática de Direção Veicular: 15 horas aula

Regra nova, em vigor (Resolução 285/08)
- Curso Teórico: 45 horas aula
* Legislação de Trânsito: 18 horas aula
* Direção Defensiva: 16 horas aula
* Noções sobre o Funcionamento do Veículo de Duas ou mais Rodas: 3 horas aula
* Noções de Proteção e Respeito ao Meio Ambiente e de Convívio Social no Trânsito: 4 horas aula * Noções de Primeiros Socorros: 4 horas aula
- Curso de Prática de Direção Veicular: 20 horas aula

Clique aqui para acessar a Resolução 285/08 na íntegra.

Fonte:Agência Infomoto

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

Resumo trilha sabadão 01/02

Saudações amigos

Mesmo com o chão muiiito molhado, acabou rolando uma voltinha sabadão dia 01/02. Presentes: Jé, Cuié, Zeromeia, Engolear e Joaninha.

Saímos as 14:00 do paredão. Como estava molhado demais, impossibilitando as subidas dos tops, resolvemos ir para Analândia City.

Saímos então acelerando e desviando das “lagoas”, mas em uma delas o Joaninha não viu com antecedência e acabou entrando até o guidão na água kkkkk com sua motoca anfíbio kkkkkk.

Ao chegar na entrada do piscinão de Landia City rsrsrs, tinha um barranquinho, e esse mesmo abrranquinho ficou nos chamando até que o Cuié resolveu “enfiar a mão” na bigorna e subiu, assim como o Jé, Dú e Zeromeia. Na vez do Joaninha, ele ficou com dó de “dar mão” na magrela e tombou kkkkkk, quando tirou a moto do barranco notou que a motoca estava “mocha” kkkk, abriu o guidão.

Ahhh, enquanto isso o Jé estava a procurar por sua molinha que havia perdido ao subir o barranquinho, mas sem sucesso acabou amarrando com uma borrachinha cedida pelo Joaninha.

Mas isso não foi obstáculo para desanimar os Trilheiros de Pirassununga kkkk, ao chegar no piscinão mandamos 4 skoletas geladas aiai.

Então fomos para o São Francisco. Enquanto o Joaninha corria atrás de uma solda para o seu guidão, o Zeromeia corria atrás de umas porções de carne kkkk que uns bicicleteiros deixaram pela metade kkkkk. Mas todo mundo comeu né Zeromeia ????
Ai já foram mais 2 tupevas e 3 caipirinha adoçada com mel aiai.

De guidão soldado, partimos então para o Cuscuzeiro, que não tinha nada.

Seguimos então para o posto do centro de Lândia City, onde serve uma porção de cebola na mesa kkkkkkkkk. Foram 4 porções e mais algumas tupevas.

Depois das porções na mesa, partimos. Durante o percurso até Pira sem maiores problemas, só o Dú que passou por dentro de uma “lagoa” e chegou molhadinha kkkk.

Já em Pira, mais precisamente perto do Buteko do Zeromeia, tinha um Morrinho ISKIZITO, e não deu outra. Parecíamos crianças (Jé, Cuié e Dú) num parque de diversões, ficamos subindo e saltando o Morro ISKIZITO até escurecer.
Aliás, eita morrinho bão.

Depois não nos restou outra opção senão votarmos ao aconchego de nossos lares.

Abraço a todos e essa semana tem mais. Acho que durante a semana role algo.